Pr. Jailson Santos

Seja Bem-vindo!

#Curta nosso blog

Role a página e encontre artigos, sermões e aulas

#Compartilhe nossas ideias

Use as redes sociais para nos ajudar a divulgar a fé reformada

Volte sempre que precisar

Nossa home fica aberta 24h!

Blog

Resumo Conforto e Conservadorismo


INTRODUÇÃO:

O Conforto e seus significados.

Conforto significa “tornar mais forte” do latim “confortare”.
A Bíblia geralmente traduz como revigoração e renovação de forças
Hoje conforto é descansar e relaxar.

O Conservadorismo e seus significados.

“Conservadorismo Criativo” decisão heróica de lutar e salvaguardar o que é certo e precioso.
“Conservadorismo Carnal” decisão cega e obstinada pelo velho e convencional, sem exame ou autocrítica.
O primeiro é digno de honra o segundo sem valor algum.

A NATUREZA DA TRADIÇÃO CRISTÃ

A tradição pode ser também definida como conservadorismo. Essas tradições podem ser boas ou más e sobre elas podemos destacar os principais pontos.
1.1 – A Tradição caracteriza as comunidades.

A tradição é processo de passar adiante princípios passados. Ninguém está imune a ela. Todas às comunidades são caracterizadas por uma tradição. A questão não é se temos tradições, mas sim se estão em conflito com as Escrituras Sagradas.

1.2 – As Tradições se iniciaram como atos contemporâneos.

O que hoje é tradicional começou com atos contemporâneos. Nesse caso a tradição é a igreja de ontem dando direção a Igreja de hoje. Todas as tradições não são finais e devem se submetidas à Bíblia para mais revisão.

1.3 -Os cristãos se beneficiam e são vítimas da tradição

Beneficiados pela recepção das verdades deixada pelas gerações passadas; vítimas que agora consideram comuns coisas que precisam ser questionadas. Boa ou má as tradições precisam ser questionadas. “Examinar todas as coisas e reter o que é bom” conforme Paulo ordenou.

1.4 - Tradições seculares e religiosas do mundo se opõem e corrompem a Tradição Cristã.

A Tradição Cristã enfrenta oposição constante das tradições seculares religiosas do mundo, que vez após vez o corrompe. Por isso, é tarefa da Igreja e do Cristão individualmente detectar e contrapor-se as infiltrações não autênticas. O lema da Reforma da Igreja Reformada sempre reformando expressa a consciência desse fato.

OS BENEFÍCIOS DA TRADIÇÃO CRISTÃ

Os evangélicos por diversos fatores deixam de aproveitar a tradição como deveriam e por isso perdem seus benefícios que são vários, mas, veremos apenas quatro:

2.1 Raízes: A tradição revela ao Cristão sua raiz. Ao descobrir suas origens sabe o padrão pelo qual deve se portar e qual é sua identidade pessoal.

2.2 Realismo: O conhecimento da tradição passada oferece ao Cristão um senso de realidade que o ajuda a avaliar o presente com realismo.

2.3 Recursos: Ao conhecer a tradição o crente adquire recursos para não seguir tendências contemporâneas de uma cultura moderna.

2.4 Lembretes: A tradição traz ao Cristão lembrete histórico, os quais permitem a comunidade do presente aprender lições da igreja do passado.

O ABUSO DA TRADIÇÃO CRISTÃ

O Conservadorismo Carnal trata as tradições como se fossem inspiradas por Deus, e, portanto, sacrossantas. Assim eles as tornam sagradas e reverenciadas vendo seu compromisso com a mesma como fidelidade a Deus e colocando-a muitas vezes acima do Evangelho.

O CONSERVADORISMO CRIATIVO E A TRADIÇÃO CRISTÃ

A cura para o conservadorismo carnal e o conservadorismo Criativo que se utiliza da tradição, não como autoridade final ou absoluta, mas como recurso importante colocado a nossa disposição pela providência de Deus para sabermos pelas Escrituras o que é Deus, o que somo, e o que Ele deseja de nós.

4.1 Sendo assim há três coisas que o conservadorismo que de nós, a saber:

4.1.1 - Honestidade na autocrítica: Que nos leva a avaliação constante;

4.1.2 - Humildade no juízo particular: Que nos leva a examinar as Escrituras até obtermos clareza, sem conclusões precipitadas;

4.1.3 - Integridade na ação moral: Que nos leva a vivenciar os princípios Bíblicos.



CONCLUSÃO


A palavra conservador nunca foi tão mal definida como nos dias de hoje. Há aqueles que acham que ser conservador é agarrar-se de maneira cega e sem nenhuma análise crítica a uma tradição. Há ainda outros que acham que a tradição é obsoleta e por isso sem nenhum valor para o mundo contemporâneo.

O J. I. Packer foi muito feliz em seu texto, pois de maneira profunda, simples e equilibrada, trouxe clareza a nossa mente sobre o assunto. Para Packer a tradição é de grande importância para qualquer comunidade, pois ela: “caracteriza as comunidades; revela ao Cristão sua raiz; oferece ao Cristão um senso de realidade que o ajuda a avaliar o presente com realismo; dá recursos aos crentes para não seguir tendências contemporâneas de uma cultura moderna; A tradição traz ao Cristão lembrete histórico, os quais permitem a comunidade do presente aprender lições da igreja do passado”.

De fato tradição nos fornece uma boa base para as discutirmos às questões do presente. O D. Martin Lloyd-Jones, comentando sobre a Reforma Protestante, diz que: “A maior lição que a Reforma tem a nos ensinar é, justamente, o segredo do sucesso na esfera da igreja e das coisas do Espírito Santo, é olhar para traz”.
Lutero e Calvino, diz ele: “foram descobrindo que estiveram redescobrindo o que Agostinho já tinha descoberto e que eles tinham esquecido.” ¹ (Grifo meu)

Diante disso não podemos negar o valor da tradição, pois ela nos ajuda a vivermos o presente sem cometermos os erros do passado e a planejar o futuro com recursos para não seguir tendências contemporâneas de uma cultura moderna e muitas vezes mundana.
Todavia nem toda tradição é boa e relevante. Há algumas que são apenas fruto da carnalidade e baseada em ritos obsoletos, e sem nenhum valor para a vida cristã. ²

Por isso toda tradição deve passar pelo crivo da Bíblia e sem conclusões precipitadas.

_______________
¹ Lloyd-Jones apud Neto. NETO, F. Solano Portela. A Mensagem da Reforma para os Dias de Hoje. Fides Reformata. v.2, n.2. jul/dez, 1997. p.29.
² Ver Marcos 13. 1 – 13.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Jailson Santos

Mestrando em Divindade pelo Centro de pós-graduação Andrew Jumper (Mackenzie - São Paulo)

Bacharel em Teologia pelo Seminário JMC e Universidade Presbiteriana Mackenzie

Pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana Aliança em Limeira - SP

Professor de teologia sistemática no SPFB

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.