Pr. Jailson Santos

Seja Bem-vindo!

#Curta nosso blog

Role a página e encontre artigos, sermões e aulas

#Compartilhe nossas ideias

Use as redes sociais para nos ajudar a divulgar a fé reformada

Volte sempre que precisar

Nossa home fica aberta 24h!

Blog

NOSSA SUFICIÊNCIA EM CRISTO JOHN F. MACARTHUR, Jr


RESUMO DO LIVRO NOSSA SUFICIÊNCIA EM CRISTO JOHN F. MACARTHUR, Jr


INTRODUÇÂO

O povo do caminho estreito tem andado tem andado por caminhos obscuros. Tem a cada dia se afastado da luz do mundo, que é suficiente para nos conduzir até ao céu. A cada manhã se constrói mais uma nova ruela, que os levam a darem voltas desnecessárias. E o caminho que parecia fácil, de fado leve e jugo suave tem se tornado cansativo e enfadonho.

As leis da Igreja vão além das leis de Deus. Não pode isso não pode aquilo outro, é o que mais se ouve. São regras e mais regras que fazem a “cruz” ser mais pesada e quase impossível de carregar no decorre do caminho.

Por outro lado há os que dizem ser este caminho insuficiente para a felicidade da vida. É necessário pegar alguns atalhos feitos por homens para chegar com maior segurança. Queres viver bem? ande um pouco com psicologia. Em busca de resultados? Que tão o pragmatismo? Não entende o caminho? Que tão o misticismo?

Todavia será que precisamos de outro caminho? Será que Jesus, que é o caminho a verdade e a vida não é o suficiente para minha vida? Será que precisamos pegar atalhos para chegarmos ao céu? Precisamos segui estas regras? Será que fascinação pela psicologia, por técnicas de “show business” e pelo misticismo exagerado, são atalhos necessários para chegarmos ao Céu ou para conduzirmos a outros? Há obra de Cristo não é suficiente para garantir nossa herança eterna?

É para da resposta a este mundo perdido em tantos caminhos que em tantos atalhos que John F. MacAthur Escreve “Nossa suficiência em Cristo”. E durante a leitura do resumo dos dois primeiros capítulos de seu livro, teremos as respostas para o “cristianismo dos caminhos”.

NOSSA SUFICIENCIA EM CRISTO.
PREFÁCIO

Para explicar sua problemática MacArthur faz uso da sátira Screwtape Lelters (cartas do inferno) de C.S. Lewis. Onde ele imagina o memorando demônio murcegão e se aprendiz Cupim. Onde o murcegão ensina a seu aprendiz que a melhor coisa é estratégica para vencer o cristianismo é fazer os cristãos pensarem que eles precisam de algo mais algo como o “cristianismo e”, ou seja, o cristianismo sempre acompanhado de alguma coisa. Algo que substitua a fé pó alguma moda que tenha um colorido cristão, pois isso o tornará mundano e apático.

O viu murcegão odiava o cristianismo puro e simples. Ele queria a todo custo destruí-lo com os acrescemos dos modismos ou assuntos palpitantes.

Segundo MacArthur está carta descreve a estratégia que satanás está usando, com o máximo de eficácia, contra a Igreja, em nossos dias. Para ele, a carta Lewis escrita na década de 1940, diagnostica a enfermidade que praticamente aleijou a igreja contemporânea. Que é anular a suficiência do Evangelho de Cristo.

Todavia no momento da salvação, cada cristão recebe tudo que precisa e nenhum dos recursos lhe falta para o crescimento e amadurecimento espiritual. Não é necessário buscar algo a mais, pois a obra de Jesus foi completamente terminada, e possuir a Cristo é tudo que o crente preciso para conhecê-lo.

Todavia a abrangente falta de confiança na suficiência de Cristo tem ameaçado a Igreja contemporânea, e a má compreensão dela tem aberto portas para vários tipos de aberrações, falsas doutrina, legalismo, secularismo, libertinagem, humanismo, secularismo, e vários modismos.

A suficiência de Cristo tem dado lugar às teorias humanistas. O evangelismo esta fascinado pela psicoterapia. Os Cristãos buscam mais o apoio de grupos que o de Cristo. O conforto emocional humano tem maior valor que o espiritual divino. A metodologia pragmática tem maior valor que os métodos de Cristo.



1. RESSUSCITANDO UMA VELHA HERESIA.

Para introduzir este capitulo o autor ilustra com a historia de um pastor que ao voltar para casa de um amigo na qual estava hospedado no final de uma noite fria andou pelas ruas da cidade em busca de um telefone que lhe permitisse fala com o amigo e acordá-lo, para que ele abresse a porta.

Depois de muito frio e já enlameado ele consegue fala com seu amigo que lhe lembra que ele tem uma copia das chaves da casa em seu bolso.

MacArthur compara este homem aos crentes atuais que tem tudo que é necessário para viver a vida cristã, mas ainda esta andando em busca de algo que estar lá dentro, sem perceber que estar com as chaves no bolso.

E ele acrescenta: “Satanás tem procurado sempre enganar os cristãos, conduzindo-os para longe da pureza e da simplicidade encontradas em Cristo, que é todo-suficiente”, e tem encontrado pessoas disposta a trocá-lo por qualquer coisa nova e incomum.

1.1. A invasão do Gnosticismo na Igreja Primitiva.


O gnosticismo foi o primeiro ataque à suficiência de Cristo. Essa seita que surgiu nos primeiros quatros séculos da História da Igreja, possuía escritos pseudobíblicos e pregava que a matéria é má e que o espírito é bom. Eles ensinavam que a essência está em nutrir o lado imaterial e em negar os impulsos materiais e físicos.

Criam então que o conhecimento secreto e mais elevado que o do crente comum era a chave para iluminação espiritual.


1.2. O ataque neognóstico à igreja contemporânea.


O gnosticismo continua vivo e continua a infectar a igreja e trazer resultados desastrosos. Atualmente nos os vemos ganhar espaço na igreja contemporânea em três traços principais, a saber:

a) Psicologia.

O neognosticismo tem criado uma fascinação na Igreja pela psicologia humanista. Colocando os métodos humanos acima da das Bíblia. Para eles compartilhar as Escrituras e orar com alguém que está com as emoções feridas é algo superficial, insuficiente e de mensagem vazia.

b) Pragmatismo.

A preocupação com os resultados, sem se preocupar com os meios é mais um golpe na suficiência de Cristo. As Igrejas estão buscando atrair as pessoas e alcança objetivos espirituais através dos métodos humanos como se Cristo e sua Palavra não fossem suficientes.

C) Misticismo.

Por sua vez prega que a realidade espiritual e está fora da esfera do intelecto humano e que a fonte da verdade está nas emoções espontâneas. A verdade é subjetiva e sua importância estar não no que ela de fato é, mas o que ela significa para mim. O que faz sentido. O misticismo é um verdadeiro avivamento do Gnosticismo.


2. TESOURO OU LIXO?


Os cristãos têm uma herança suficiente para suprir todas as necessidades, mas vivem uma vida de privação auto-imposta e desnecessária. Negligenciam os abundantes recursos que, por direito podem gozar, e, lugar disso buscam coisas que são como refugo, como lixo.

Desprezam o suntuoso legado deixado pelo Pai, e, em lugar disso, se entregam aos lixos deste mundo.


2.1 Um rico legado para Usufruir.


Não são poucos os crentes que desprezam as abundantes riquezas de uma herança que não se corrompe, e colecionam coisas meramente humanas algo como refugo ou LIXO.

Há uma serie de bênçãos espirituais que Deus dar ao homem graciosamente e que ele tem desprezado bênçãos e promessas espirituais que vão muito mais além que a prosperidade material.

Paulo em suas cartas diz que nós somos adotados e agora somos herdeiro das coisas celestiais.

a) Nós herdamos a Deus.

Esta é uma verdade vétero-testamentária de uma herança espiritual, onde o próprio Senhor era a herança deles. Eles literalmente herdaram Deus como sua possessão. “Somos dele e Ele é nosso”. Passaremos à eternidade na presença dele.

b) Nós herdamos a Cristo.

Os crentes vivem em uma eterna união com Cristo, pois Ele habita neles e eles reinarão com eles como herdeiros.

c) Nós herdamos o Espírito Santo.

Ele habita em nós e é a garantia da nossa salvação.

d) Nós herdamos o reino.

Um dia reinaremos com Ele e experimentaremos a plenitude da nossa herança. Enquanto isso não ocorre devemos aprender a viver como filhos do Rei.

2.2. Dois conceitos Revolucionários.

Para entendemos melhor a suficiência de Cristo é necessário olharmos mais para as coisas eternas que as terrenas.

As Escrituras responde a isso com dois conceitos revolucionários:

a) Mentalidade celestial.

É tirarmos os olhos das coisas materiais e ofertas deste mundo e colocarmos na provisão de Deus para nossa satisfação.

b) Satisfação postergada.

É espera unicamente na vontade de Deus que se cumprirá em seu tempo determinado.

2.3. Adorando a Deus pala Nossa Herança Eterna.

O cristão deve adorar a Deus a despeito das dificuldades terrenas. Deve olha para a sua herança eterna e não as lutas do presente. Para isso é Necessário:

a) Lembrar da sua vocação.

O cristão foi chamado para viver como Cristo, ele nos deu o exemplo de fidelidade em meio ao sofrimento.

b) Lembrar de louvar a Deus.

Louvar a Deus por nossa herança eterna deve ser a constante expressão do coração de todo o crente em qualquer circunstância temporal.

c) lembrar da herança.

Manter a atenção na herança é a chave para manterá alegria em meio às provações.

2.4. Já recebemos nossa herança.


A palavra “herança” em 1 Pedro 1.4, diz respeito às possessões passadas de geração a geração. Ou seja, você não as obtém nem as compra; você as recebe simplesmente por ser membro da família.

Nós nascemos mortos e separados de Cristo, sem Deus e sem esperança. Mas Cristo através da sua obra nos faz nova criatura, nos transforma e nos colocar em uma nova posição, de filhos e herdeiros do seu Pai. Tudo isso pela fé somente.

Todavia Muitas pessoas desejam adicionar outras exigências ao evangelho, tais como cerimônias religiosas, códigos de conduta e outras regras. Porém todas essas coisas não passam de obras humanas.
Um exemplo disso são fariseus como Nicodemos que picados pela serpente do legalismo, pensam que o reino dos céus estar na auto-retidão. Mal sabe que o que realmente precisa é reconhecer sua incapacidade e olhar exclusivamente para Cristo.

2.5. A Natureza de nossa Herança

Segundo o autor Pedro usou três termos negativos para descrever a perfeição positiva de nossa herança: “Incorruptível, sem mácula, imarcescível”

a) “Incorruptível”.

Fala de algo que não pode ser corrompido, algo que é permanente. O que não pode ser conquistado por um exército. Ou seja, nossa herança eterna não pode ser pilhada ou saqueada por nossos inimigos espirituais.

b) “Sem mácula”.

Nossa herança é imaculada, impossível de ser manchada pela presença ou pelos efeitos do pecado.

c) “Imarcescível”.

“O que não murcha”. Aqui uma beleza sobrenatural que o tempo não pode diminuir.

Estes três termos retratam a herança celestial que é impermeável à morte, ao pecado e aos defeitos do tempo. Ou seja, essa herança em Cristo é eterna e jamais diminuirá.


2.6. A Segurança de Nossa Herança.


Nossa herança não está apenas sendo cuidada pelo próprio Deus, mas Ele está fazendo isso no mais seguro de todos os lugares: o céu. Onde “jamais a penetrará coisa alguma contaminada”. Ninguém jamais haverá de invadir ou saquear o céu. Logo nossa herança está eternamente segura.

Muitos crentes confiam que Deus, mas duvidam que Deus possa guardar a herança, sem que ela se perca.

“Guardado” se refere a uma sentinela e indica que nós estamos continuamente debaixo de proteção. O SOBERANO E ONIPOTENTE Deus nos assegura nossa vitória final.
Outra garantia de nossa herança é nossa fé perseverante. Esta fé que e dom de Deus e fruto da sua graça nos assegura que herdaremos, pois o Deus que colocou está fé no nosso coração persevera por nós.

Nossa herança é gloriosa e nada nesse mundo se compara a ela. Nunca se esquecendo, porém que ter a Cristo, que é todo-suficiente em tudo, agora e sempre.


TESE

Para mostrar que Cristo é totalmente suficiente para o Cristão viver uma vida plena e herdar as glórias celestiais, John F. MacAthur nos relembrar que a fascinação pela psicologia, pelas técnicas de “show business” e pelo misticismo exagerado são fruto da seita gnostica.
Que temos desprezado o legado valioso deixado por Cristo e que a sua o sua obra redentora na Cruz nos garante a herança eterna. Pois, estamos continuamente debaixo de proteção. O SOBERANO E ONIPOTENTE Deus nos assegura nossa vitória final.


CONCLUSÃO.


Nunca se tentou criar tantos atalhos para céu como nos últimos dias. Tomar a cruz e seguir a Jesus tem sido literalmente caminhar com um madeiro. São regras e mais regras que fazem a “cruz” ser mais pesada do que de fato é. A cristianismo virou sinônimo de legalismo para vários grupos religiosos.

Por outro lado há os que querem tornar este caminho mais suave e tranqüilo. E se preocupado apenas com os fins se esquecem dos meios, esforçando-se para tornar aceitável este caminho ao mundo, a igreja tem adornado o evangelho com qualquer outra coisa, menos com a Verdade. Em vez de pregar a Palavra a igreja está afundando num caminho atolado de um mundanismo pragmático.

O antropocentrismo e suas técnicas humanas têm tomado o lugar de Cristo na igreja. A verdade de Deus tem sido esquecida e muitas vezes abandonada. O gnosticismo tem sido avivado e a luz de Cristo apagada.

Para John MacArthur a estratégica que o inimigo usa para vencer o cristianismo é fazer os cristãos pensarem que eles precisam de algo mais. Algo que substitua a fé por alguma moda que tenha um colorido cristão. Pois ele sabe que é o caminho puro e simples, o verdadeiro caminho.

Todavia Cristo é totalmente suficiente para vida cristã, e o legado deixado por ele nos aponta para qual é o verdadeiro caminho para o céu, onde todo eleito tem uma herança guardada e preservada pelo próprio Deus. E única coisa a fazer para desfrutar desta gloriosa herança, é andar em Cristo o único e suficiente caminho.

Nossa suficiência está em Cristo!

Seminarista Jailson Santos

Um comentário:

  1. Irmão Jailson, obrigada pelo seu resumo do livro supra citado, o caminho estreito sempre foi e sempre será alargado pelas mentiras de satanás, pelos seus ardis em criar atalhos....Viver o evangelho atualmente tem sido muito difícil, pois há engano por toda parte que se olhe, há engano no mundo, e na igreja é tão triste. Prega-se tudo menos salvação pela graça, entrega, humildade,....poucos falam da suficiência em Cristo, poucos querem vivê-la, recheiam meias verdades e preenchem de tudo que é do mundo, e aqueles que amam o mundo o amor do pai não está neles, não é verdade ?

    ResponderExcluir

Jailson Santos

Mestrando em Divindade pelo Centro de pós-graduação Andrew Jumper (Mackenzie - São Paulo)

Bacharel em Teologia pelo Seminário JMC e Universidade Presbiteriana Mackenzie

Pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana Aliança em Limeira - SP

Professor de teologia sistemática no SPFB

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.