Pr. Jailson Santos

Seja Bem-vindo!

#Curta nosso blog

Role a página e encontre artigos, sermões e aulas

#Compartilhe nossas ideias

Use as redes sociais para nos ajudar a divulgar a fé reformada

Volte sempre que precisar

Nossa home fica aberta 24h!

Blog

O delírio Dawkins

PREFÁCIO À EDIÇÃO BRASILEIRA

Nas primeiras páginas de Deus, um delírio, Richard Dawkins declara seu objetivo proselitista. Ele pretende persuadir os leitores religiosos a abandonarem a idéia da existência de Deus em favor de uma cosmovisão mais sensata. Aparentemente pretende também consolidar e fortalecer a confiança daqueles que já duvidam do sobrenatural, alistando-os para militarem numa campanha mundial contra a religião.

Nesta intencionalidade ideológica reside o que há de novo no discurso ateísta de Dawkins e de outros escritores que – face ao ambiente mundial em que as religiões ganham cada vez mais adeptos – agora partem para a ofensiva. Não é suficiente argumentar que a ciência não descobriu nenhum indício sobre a existência de qualquer realidade que não seja a natural. Agora é necessário afirmar que a ciência é a única ferramenta adequada para observar a realidade e que qualquer sistema metafísico ou religioso é terminantemente pernicioso e deve ser abolido da sociedade.

Vale a pena combater este ponto de vista? O jovem escritor cristão Donald Miller diz que “[m]eu mais recente esforço de fé não é do tipo intelectual. Eu realmente não faço mais isso. Mais cedo ou mais tarde você simplesmente descobre que há alguns caras que não acreditam em Deus e podem provar que ele não existe e alguns outros caras que acreditam em Deus e podem provar que ele existe – e a esse ponto a discussão já deixou há muito de ser sobre Deus e passou a ser sobre quem é mais inteligente; honestamente, não estou interessado nisso” (Como os pingüins me ajudaram a entender Deus, Thomas Nelson Brasil, 2007).

Na introdução ao presente volume, Alister e Joanna McGrath discordam da passividade deste posicionamento. A agressividade antireligiosa não apenas de Dawkins, mas também de Sam Harris, Daniel Dennett, Christopher Hitchens e demais profetas do ateísmo merece uma resposta a altura, sobretudo daqueles que estão convictos de que a ciência não é tudo nem suficiente.
Alister McGrath, autor de obra anterior questionando os postulados de Dawkins (Dawkins’ God, Blackwell, 2004), é professor de história da teologia na universidade de Oxford. Sua esposa Joanna Collicut McGrath é professora de psicologia da religião na universidade de Londres. Juntos, decidiram desafiar as conclusões de Dawkins, que consideram levianas, infundadas e irresponsáveis. Em O delírio de Dawkins, concentram-se nos principais argumentos expostos em Deus, um delírio, e procuram desconstruir cabalmente as estruturas lógicas e paradigmais que fundamentam as alegações de Richard Dawkins.

Embora a população de ateus no Brasil seja pequena e geralmente restrita às faixas demográficas mais intelectualizadas e bem abastecidas, uma das fatias populacionais que mais cresce no país é composta de pessoas que se declaram “sem-religião” (IBGE, Censo Demográfico 2000). Para elas, assim também para os religiosos, a existência ou não de Deus não é mera questão intelectual. A maneira como cada pessoa responde esta pergunta – e subseqüentemente reestrutura sua cosmovisão – afeta sua individualidade e nossas sociedades. Não há questão mais importante. Esperamos que o lançamento de O delírio de Dawkins sirva para alimentar e aprofundar o debate.



Os Editores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Jailson Santos

Mestrando em Divindade pelo Centro de pós-graduação Andrew Jumper (Mackenzie - São Paulo)

Bacharel em Teologia pelo Seminário JMC e Universidade Presbiteriana Mackenzie

Pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana Aliança em Limeira - SP

Professor de teologia sistemática no SPFB

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.