Pr. Jailson Santos

Seja Bem-vindo!

#Curta nosso blog

Role a página e encontre artigos, sermões e aulas

#Compartilhe nossas ideias

Use as redes sociais para nos ajudar a divulgar a fé reformada

Volte sempre que precisar

Nossa home fica aberta 24h!

Blog

O Ebionismo de Ário

Ário (presbítero de Alexandria, no Egito) dizia que Cristo era muito superior aos seres humanos, mas inferior ao Pai, tendo sido criado por ele antes da existência do mundo. Suas ideias ficaram conhecidas numa carta que ele enviou a Alexandre, bispo de Alexandria, a fim de que suas crenças fossem examinadas na qual conclui: “Qualquer coisa mais que exista deve ter vindo à existência, não por qualquer comunicação do ser de Deus, mas por um ato de criação de sua parte, i.e., deve ter sido chamado à existência do nada”.[1]
Ário negou a divindade ontológica de Cristo e sustentou uma ideia na qual Cristo possuía uma posição intermediária entre Deus e o homem. Ele sustentava também que Jesus Cristo era uma criatura, ou seja, ele foi à primeira criação de Deus. Ele foi criado do nada por Deus. Ele não deve ser comparado com as outras criaturas, porque ele difere delas, tendo a primazia entre todas. Ele era o mais alto dos seres criados, mas não o Deus eterno, já que fora criado.[2] O Ebionismo de Ário foi rejeitado no Sínodo de Antioquia (325 d.C.), no mesmo ano no Concílio de Nicéia e anos depois no quarto Concílio Geral, consistindo de muitos pais da igreja que se reuniram em Calcedônia, em 451 A.D.
O Ebionismo atravessou o tempo e ganhou vários adeptos ao longo da história. No contexto próximo da discussão, no “Credo de dedicação” (341) e na “blasfêmia de Esmirna” (357). Em uma roupagem mais intelectualizada ele foi reavivado no nos séculos passados pelo “velho liberalismo teológico” com filósofos como Imanuel Kant (1724 – 1804), Schleiermacher (1768 – 1834) e Adolf Von Harnack (1851 – 1930) e atualmente os “Testemunhas de Jeová”.[3]



[1] KELLY, Early Christian Doctrines, (San Francisco: Harper & Row, Publishers, 1978), 227. Apud CAMPOS, As duas naturezas do redentor: a pessoa de Cristo. p. 143
[2] CAMPOS, As duas naturezas do redentor: a pessoa de Cristo p. 143
[3] Ibid pp. 145 – 150.



Veja os vídeos e baixe os slides da série as  sete igrejas do apocalipse.






















Baixe os slides da primeira mensagem da série:


Apocalipse 2: 1-7

Slides: http://goo.gl/XaKbXy

___________________________________________________________________________________





Baixe os slides da primeira mensagem da série:


Apocalipse 2: 8-11



Slides: http://goo.gl/RZm3lA

________________________________________________





Baixe os slides da primeira mensagem da série:


Apocalipse 2: 12-17

Slides: http://goo.gl/HCzOG5

________________________________________________



Baixe os slides da primeira mensagem da série:


Apocalipse 2: 18-29

Slides: http://goo.gl/ZPGyAe

________________________________________________



Baixe os slides da primeira mensagem da série:


Apocalipse 3: 1-6

Slides: http://goo.gl/w0sGNt

________________________________________________



Baixe os slides da primeira mensagem da série:


Apocalipse 3: 7-13

Slides: http://goo.gl/vaJjRV

________________________________________________



Baixe os slides da primeira mensagem da série:


Apocalipse 3: 14-22

Slides: http://goo.gl/l5UPYt

________________________________________________

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Jailson Santos

Mestrando em Divindade pelo Centro de pós-graduação Andrew Jumper (Mackenzie - São Paulo)

Bacharel em Teologia pelo Seminário JMC e Universidade Presbiteriana Mackenzie

Pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana Aliança em Limeira - SP

Professor de teologia sistemática no SPFB

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.