Pr. Jailson Santos

Seja Bem-vindo!

#Curta nosso blog

Role a página e encontre artigos, sermões e aulas

#Compartilhe nossas ideias

Use as redes sociais para nos ajudar a divulgar a fé reformada

Volte sempre que precisar

Nossa home fica aberta 24h!

Blog

Aconselhamento bíblico pastoral: Coração transformado, comportamento mudado.




Aconselhamento bíblico pastoral:
Coração transformado, comportamento mudado.

 

INTRODUÇÃO


Estes últimos dias, estão sendo marcados, por um grande afastamento dos seres humanos de Deus e de sua Palavra. A consequência disso tem sido o caos em todas as áreas da vida humana. Quanto mais soluções horizontais o homem busca mais desorientado ele fica. O fracasso dos cristãos modernos em compreender as riquezas que têm em Cristo, escancara a porta da igreja para uma multiplicidade de influências aberrantes que têm como base princípios humanistas e sobre tudo antropocêntrico. Como acertadamente assevera Fabiano: “nesse processo de idolatria socialmente compartilhada, tudo começa com a tendência inata e universal à absolutização do próprio eu, quando o eu é entronizado no coração” (OLIVEIRA, 2011, p. 52). O hedonismo dessa atual sociedade hipermoderna tem levado muitos à construção de altares aos “deuses funcionais”. Além disso, na atual realidade da “igreja de mercado”, não são poucos os que querem que Deus mude suas financias, famílias, vidas, mas não estão dispostas a uma mudança profunda dos seus corações.
Nesse cenário de caos a tarefa da igreja e principalmente dos conselheiros bíblicos é buscar um método de aconselhamento que traga mudanças mais profundas no centro do ser humano, isto é, o coração. As ações exteriores que regem sua vida nascem no comando central interior. Coração, na Bíblia, é muito mais do que o órgão que bombeia o sangue para todo o corpo, mas é o aspecto interior do homem, responsável por nossas escolhas, decisões, vontades e ações.
Assim, o coração guia o comportamento de todo ser humano. Ele é a fonte primaria dos maus desejos que leva aos mais variados distúrbios dos seres humanos. Neste trabalho será apresentado, mesmo que de forma breve, uma proposta de aconselhamento bíblico que tem como alvo a transformação do coração humano, o centro da vida. Para esta breve pesquisa, usar-se-á, dentre outros, os seguintes teóricos: (POWLISON, 1996) e (TRIPP, 2009).

O PROBLEMA BÁSICO DO HOMEM.


“A imaginação do homem é, por assim dizer, uma perpétua fábrica de ídolos”, dizia João Calvino (CALVINO, As Institutas, I.XI.8.). Isso por que todo homem tem em si o que ele chama de “sensus divinitatis”. Todos, de certo modo, são adoradores, que buscam desesperadamente aquilo o seu coração deseja. Essa adoração dirige crenças (cognitivo), desejos (afetivo) e vontade (volitivo). O comportamento idólatra nada mais é do que a expressão da idolatria que já existe no interior, do homem, isto é em seu coração. Todos os desejos do coração são expressões da adoração secreta que o homem cultiva. Por isso, o coração é também a habitação dos seus ídolos particulares. Em outras palavras, ele determina quem é o homem e como ele viver. Assim o problema básico de todo ser humano não é externo (comportamento), porém interno (coração). Logo, se o coração é a fonte de todos maus desejos humanos, que o leva a idolatria que o escraviza, ele deve ser o alvo da mudança permanente do nosso aconselhamento e do nosso ministério como um todo.

A SOLUÇÃO EFICAZ.


Segundo David POWLISON (1996), o ser humano convive com uma tríplice tensão existente, que são: os impulsos biológicos, as motivações internas e os condicionamentos sociais e culturais. A solução para os problemas dos aconselhados está em procurar identificar os ídolos que o escravizam e exigem deles obediência e procurar num processo de entrega, dedicação e consagração a Deus, ir renovando o homem interior, tomando a cruz diariamente, sepultando diariamente os falsos deuses que estão sendo fabricados no coração (POWLISON, 1996).
Assim, o conselheiro bíblico precisa considerar que a purificação do coração que cobiça o mal e adora o “eu” precisa de cuidados. Este diagnóstico correto levará ao tratamento apropriado. Como bem asseverou Dr. John Street (2009) o uso adequado da hermenêutica do coração é a ressonância magnética cerebral de todo conselheiro bíblico. Essa hermenêutica é a orientação bíblica para identificar e interpretar o que há dentro do aconselhado à medida que isso interage com as várias situações da vida.


BASE BÍBLICA.


O apóstolo João adverte: “Filhinhos, guardai-vos dos ídolos.” (1 João 5:21). Segundo POWLISON (1996), os “Ídolos do coração” são literalmente descritos em Ezequiel 14:1-8. Ele assevera que a adoração de ídolos tangíveis é, perigosamente, a expressão de uma deserção prévia de Deus (POWLISON, 1996). Assim biblicamente a “idolatria” é uma palavra característica do Velho Testamento que resume e refere-se ao nosso desvio de Deus. Para esse mesmo autor, os “desejos” (gr. epithumiai) do coração é característica que resumo no Novo Testamento para o mesmo desvio apresentado pelo profeta Ezequiel (POWLISON, 1996). Segundo POWLISON (1996), ambas descrevem o problema dos seres humanos. A linguagem do Novo Testamento para “desejos” problemáticos é uma expansão dramática do décimo mandamento que proíbe a cobiça (gr.epithumia). Desnuda a natureza egoísta e reivindicativa do coração humano, poderosamente é descrito por Paulo em Romanos 7 (POWLISON, 1996). 
O coração também não é apenas responsável pelas emoções. Ele é a sede de nosso conhecimento e crenças (cognitivo - Mt 9.4; (Mt 24.48; Mc 11.23; Lc 2.35), desejos e emoções (afetivo - Mt 5.28; 6.21; Jo 16.22; At 2.26) e vontade (volitivo - Mt 9.4; At 5.4; Mt 15.19; Lc 6.45).
O que foi apresentado até aqui pode ser visto de forma prática na educação de filhos. Suponhamos que uma mãe tem duas crianças brigando por causa de brinquedos. Ambas para chamar a atenção querem o mesmo brinquedo mesmo tendo outros. Claramente um problema de egoísmo.

Abordagem errada: “quem chegou primeiro?” Quem é o mais velho? Quem brincou menos tempo? – "JUSTIÇA"
Mensagem: “eu posso ser egoísta se for justo”.
O real problema: o egoísmo (ídolo do coração).
Abordagem certa: “Aprenda a dividir” – Altruísmo
Solução bíblica: amar o próximo como a si mesmo.

A METODOLOGIA.


A metodologia, usada pelos autores que seguem essa linha de aconselhamento, entende que o papel do conselheiro é perceber qual é o ídolo que tem governado o ser humano (POWLISON, 1996). Uma vez que, como já foi dito, o comportamento está enraizado nos pensamentos e nas motivações do seu coração. Uma ação em direção a um desvio de ídolos provocando uma mudança no aconselhamento (POWLISON, 1996). Dentro disso o conselheiro deve, segundo TRIPP (2009), seguir alguns princípios:
O primeiro é estabelecer um plano de ministério pessoal que será uma espécie de mapa e que dará um sentido de direção, ou seja, mostrará o destino e dirá como chegar lá. Duas perguntas devem ser feitas aqui neste plano: O que a Bíblia diz sobre a informação coletada? Isso levará a examinar os dados coletados através das “lentes” dos grandes temas das escrituras e moldará as respostas que daremos aos problemas das pessoas. Que mudança Deus quer fazer no coração desta pessoa? A resposta a essa pergunta aponta onde é o destino a ser alcançado (TRIPP, 2009).
O segundo objetivo é esclarecer as responsabilidades. A resposta à pergunta: O que eu devo fazer? Deve ser algo claro para o aconselhado. Sobre a responsabilidade, TRIPP (2009) diz que o conselheiro precisa conduzir as pessoas a fazerem em espírito de alegria, submissão e obediência o que dever fazer e em um espírito de confiança e descanso, deixar Deus fazer o que só ele pode fazer. Isso trará paz e evitará frustrações.
O terceiro objetivo é infundir a identidade em Cristo. Para isso, o conselheiro precisa mostrar ao aconselhando quem ele é. Ele precisar fazê-lo entender que agora ele está em Cristo, e é uma nova criatura e assim ele deve voltar seu coração somente para Ele (TRIPP, 2009).
O quarto e último objetivo é proporcionar a prestação de contas. Muitas pessoas tem uma ideia errada do que de fato é a prestação de contas. Prestação de contas, não é agir como um detetive que à espera de pegar alguém fazendo coisas erradas. Ao contrário, a prestação de contas visa advertir amorosamente, e encorajar ativamente alguém que está disposto a experimentar, a mudança que Deus deseja operar em sua vida. O encorajamento e a prestação de contas são partes importantes no processo de aplicação da verdade e na formação do caráter de Cristo na vida do aconselhando (TRIPP, 2009).

CONCLUSÃO:      


O alvo do conselheiro deve ser um aconselhamento bíblico focado não apenas na mudança do comportamento, mas na transformação contínua do coração. Será a mudança do coração por meio das Escrituras que levará a pessoa a abandonar os seus velhos e conhecidos ídolos e adorar somente a Deus, o que consequentemente mudará a sua situação.
Nesse sentido, Jesus é o que mais o aconselhado precisa para curar a alma afetada seja por ídolos interiores, socioculturais, familiares, etc. Ele é a origem e alvo de toda a realidade. O mundo inteiro somente pode ser entendido corretamente quando é visto, a partir de Cristo, e em direção à Cristo.
Para o apóstolo, em Cristo os cristãos são aperfeiçoados: “Também, nele [Cristo], estais aperfeiçoados.” (Cl. 2.10). Este texto visto a luz do verso nove (veja o paralelo no grego v.9 πλήρωμα, v.10 πεπληρωμένοι) mostra que plenitude da divindade que habita em Cristo é a base para a plenitude dos cristãos de Colossos.
Assim, com o termo “aperfeiçoado”, Paulo que dizer que em Cristo nós somos preenchidos plenamente. Além disso, o tempo do verbo (perfeito) aponta para um estado permanente como resultado de alguma ação anterior, com efeitos permanentes. Já a voz passiva sugere que os leitores foram preenchidos por Deus.
Em outras palavras, nossa união com Cristo nos conduz para uma vida plena, que vem do próprio Deus. Tudo que precisamos para vencer as lutas da vida vem de Deus, por meio de Cristo. Qualquer outro antídoto é apenas paliativo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


POWLISON, David. Ídolos do coração & feira das vaidades: vida cristã, motivação individual e condicionamento sociológico. Brasília: Refúgio, 1996. 
STREET, John D. Purificando o coração da idolatria sexual. São Paulo: NUTRA publicações, 2009. 240 p.
 TRIPP, Paul David. Instrumentos nas mãos do Redentor. São Paulo: NUTRA, 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Jailson Santos

Mestrando em Divindade pelo Centro de pós-graduação Andrew Jumper (Mackenzie - São Paulo)

Bacharel em Teologia pelo Seminário JMC e Universidade Presbiteriana Mackenzie

Pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana Aliança em Limeira - SP

Professor de teologia sistemática no SPFB

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.