Pr. Jailson Santos

Seja Bem-vindo!

#Curta nosso blog

Role a página e encontre artigos, sermões e aulas

#Compartilhe nossas ideias

Use as redes sociais para nos ajudar a divulgar a fé reformada

Volte sempre que precisar

Nossa home fica aberta 24h!

Blog

Resenha

Resenha

Jailson Jesus dos Santos

NICHOLS, Robert H. História da Igreja Cristã. Tradução de J. Maurício Waderley 13. ed. São Paulo – SP: Cultura Cristã, 2008. 335 p.


O homem sempre sentiu a necessidade de compreender as questões que envolvem sua vida, e, seu passado lhe fornece muitas informações para tal entendimento. Porém, muitas pessoas não consideram a História como sendo algo importante e relevante. O adágio popular expressar essa realidade quando afirma que “quem vive de passado é museu”. Todavia história é de grande importância para a vida humana. Tennysou em seu poema Ulysses, nos relembra que “somos uma parte de tudo que encontramos”. Por isso a História não apenas nos informa de fatos passados, como também nos ajuda a entender o presente sem cometer os erros do passado e está preparado para os desafios do futuro. 


Rev. Robert Hastings Nichols tem de formação reformada. É Doutor em Divindade e foi professor de História da Igreja no (Seminário Teológico da União) de 1913-1944. Seu pai, o Rev. Dr. GP Nichols, foi o pastor de uma próspera congregação Presbiteriana em Milwaukee. Nichols é autor além do livro aqui resenhado, de “Growth of the Christian Church” (Crescimento da Igreja Cristã volumes I e II) e “Presbyterianism in New York State: A history of the Synod and its predecessors (Presbyterian Historical Society. Studies in Presbyterian history)” (Presbiterianismo em Nova Iorque Estado: Uma história do Sínodo e dos seus predecessores. Estudos em Presbiteriana história). Sendo o primeiro também já trazido para nossa língua. 

O livro “História da Igreja Cristã” de Robert Hastings Nichols é uma obra para acadêmicos e leigos que desejam conhecer a história da igreja de maneira clara e sucinta. A proposta principal da obra é mostrar que durante todo o desenvolvimento da História da Igreja Deus está sempre operando em favor da salvação do ser humano, o que o faz o autor da História. Através do método dedutivo, Nichols aborda o assunto proposto de forma didática e dentro de uma seqüência sistemática e lógica, trata do tema com grande clareza mostrando um vasto conhecimento do assunto e um grande poder de síntese. O autor não faz conclusões pessoais de forma sistemática ao finalizar cada capitulo, nem no final do livro. Suas conclusões estão tácitas em todo o seu texto, mas mesmo assim revela a convicção de que Deus é o Senhor da História. A obra é divida em capítulos, os quais trazem uma síntese dos períodos históricos. 

No capítulo primeiro o autor aborda como o mundo foi preparado para o cristianismo, e a contribuição que os Romanos, os Gregos e os Judeus deram para que Cristo viesse na plenitude dos tempos. Os romanos contribuíram com a unificação dos povos, com a pacificação universal e a construção de estradas que permitia o intercâmbio entre os povos. A contribuição dos gregos se deu com helenização, a qual fez com que tanto a língua, grego koiné, quanto à cultura grega, pensamento filosófico, se tornasse universais, assim criasse um ambiente único. Já os judeus preparam o caminho, preservando e sendo mordomos da esperança do salvador divino, da lei que o prometia, e divulgando estas verdades a todos os povos por meio da diáspora. Por fim o autor mostra-nos como se tornou o mundo ao surgir o cristianismo, onde analisa as condições religiosas, onde vemos o declínio da velha religião clássica, acessão da religião romana, e a curiosidade e anseio religioso. As condições intelectuais, que estava em crise e gerando insatisfação e desespero, por que o movimento filosófico havia chegado ao fim. E as condições morais, que era caracterizada pela baixa moral. 

No segundo capítulo o objeto de estudo é o 1° século, onde analisa duas coisas. A primeira, Jesus e sua igreja, onde mostra como Ele se relacionou com as multidões e seus discípulos e como ele fundou a igreja com esses mesmos discípulos que o seguia. A segunda a igreja apostólica até o ano 100 dC. Mostrando que foi após o pentecoste que começou a vida ativa desta igreja, e quer em seguida, após ser proclamada aos judeus e a perseguição ser iniciada, a mensagem desta igreja de Cristo se estendeu por todo o mundo tornando conhecida universalmente. Em seguida, Nichols mostra que a vida da igreja era caracterizada pelo amor fraternal, por um zelo e pureza moral e de uma alegria que se baseava em uma confiança e esperança na segunda vinda de Cristo. Ainda, que os cultos dessa igreja eram realizados nas casas onde os cristãos por meio de hinos e orações louvavam a Deus e edificavam mutuamente. Que a crença da igreja tinha sua base em seus próprios credos, mas mesmo assim alguns se deixaram leva-se pelos erros dos judaizantes e dos gnoticismo. Por fim, mostra-nos que as igrejas eram independentes umas das outras. 

O terceiro capítulo da inicio a primeira parte da igreja antiga (100 – 313 dC.). Nele Nichols, mostra que o mundo que a igreja vivia era governado pelo império romano. E que este império com o tempo entrou em uma grande decadência devido a causas internas, imoralidade e maus governantes, e causas externas, avanço dos bárbaros e divisões. No que diz respeito à igreja este período foi de expansão na sociedade da mesma, que se deu através dos missionários, apologistas, como Justino e Tetuliano, mestres, como Origines e cristãos comuns. O autor mostra-nos ainda que com Nero (54 – 68) a perseguição contra os cristãos aumentou, e que ora era intensificada e ora abrandada chegando ao seu “fim” em 331 com o Edito de Milão, de Constantino. Nestes séculos a igreja mantinha uma boa vida moral, mas enfrentava duas tendências o asceticismo e o legalismo. Além das influências gnosticas que se acentuaram. Por fim, escreve que a organização eclesiástica da igreja era de inicio de igrejas locais, mas que logo depois se tornou católica e passou a ter um só governo e a distingue clero e leigo. 

O quarto capítulo é a segunda parte da igreja antiga. Aqui o autor mostra-nos o contexto no qual a igreja vivia. Destacando a continuação do declínio do império romano e o avanço dos bárbaros germanos, que levou a queda do mesmo em 476 dC. Em seguida fala sobre a extensão do cristianismo tanto no território romano, como conseqüência dos benefícios alcançados com Constantino e posteriormente com o favor imperial que o tornou religião do império, como fora dele em se espalhando assim por todo o mundo. Também, que este avanço trouxe um declínio moral, o que levou muitos fieis a aceita as idéias do monarquismo, que pregava a separação do mundo e abnegação. Neste período vários mosteiros foram fundados em todo mundo. Também, o debate sobre a pessoa de Cristo, passou a ser o ponto central, o que levou a igreja a se reunir em concílio, em Nicéia para dá uma resposta. Em seguida fala da importância de Jerônimo (340 – 420), que traduziu a bíblia para latim (vulgata) e de Agostinho um dos maiores pensadores desta época e de toda a História da igreja. Por fim, Nichols escreve como era o culto, depois da ênfase pagã na eucaristia, mariolatria, e de como depois de se tornar católica e engrandecer o bispo de Roma a ponto de se torna “papa” ela se dividiu.

O quinto capítulo, da inicio a primeira parte da igreja no início da idade média. (590 – 1073 dC.). Nele o autor mostra-nos que o contexto em que a igreja vivia Europa ocidental, estava passando por um período de guerras, anarquias e avanços mulçumanos. E que depois de muitos anos surgiu um dos grandes construtores de civilização, o rei dos fracos Calos Magno, que por prestar muitos auxílios aos papas e as igreja, foi coroado Imperador pelo papa Leão III. Razão pela qual a igreja era o principal poder político dessa época. Robert mostra ainda, que neste período o cristianismo expandiu-se através das missões romanas e escocesas, e ocupou vários territórios em vários paises da Europa, tanto de forma pacifica, como por força como na Rússia. E que os mosteiros tiveram papel importante nesta missão. Finaliza enfatizando dois fatos importantes neste período: o grande poder da igreja de Roma de seu papa Gregório I, que governava soberano e exercia justiça por vários meios, inclusive falsas decretais, e a divisão da igreja católica em dois ramos, o do Oriente e o do Ocidente. Que aconteceu por causa da diferença de etnia, de governo e da pretensão papal. 

O capítulo sexto, traz a segunda parte da igreja no início da idade média, (590 – 1073 d.C.). Onde o autor mostra a luta do cristianismo com o paganismo interno, que havia entrado na no mesmo por causa do decreto imperial que o tornou a religião da moda, que aceitava a todos a despeito de serem convertidos. O que levou a igreja a um declínio moral, principalmente no clero era corrupto e praticava a simonia. A corrupção externa chegou aos mosteiros também. Esse paganismo alcançou a liturgia da igreja que passou a cultuar a Maria, a outros deuses, às relíquias e a da a missa o lugar central do culto. Como reação a este paganismo apareceu no século XI um reavivamento religioso, que trouxe um despertamento intelectual e espiritual e uma reforma moral, que foi liderada pelos reformistas com três propósitos: abolir a simonia, manter o celibato clerical e trazer pureza a vida do clero. Entre esses reformistas o principal nome foi Hildebrando. Por fim, Nichols lembra-nos que este período foi marcado pelas disputas teologia sobre a pessoa de Cristo (Concílio de Calcedônia) e que enquanto a igreja se apegava a isso, os muçulmanos conquistavam territórios, o que trouxe um declínio para a igreja cristã, que só retomaria seu espaço com o reavivamento no IX século. 

O objetivo de estudo do sétimo capítulo é a igreja no apogeu da idade média (1073 – 1294 d.C.), Nichols aborda o papado medieval, destacando Hildebrando e Inocêncio III. Segundo ele Hildebrando buscou duas coisas: A primeira, livrar a Igreja do controle do mundo exterior, o que o levou a lutar contra os principais reis e imperadores, como Henrique IV. E segundo tornar a igreja senhora suprema do universo, dando o poder absoluto e mundial. Inocêncio III (1198 – 1216) deu continuidade ao plano de Hildebrando e levou à igreja a governar politicamente a Europa Ocidental e a chegar culminância do poder. Colocava-se entre “Deus e os homens” e o que tinha o poder da justiça. Conseqüentemente o cristianismo se espalhou por toda a grande parte da Europa e travou uma grande guerra contra o islamismo através das cruzadas. Que eram realizadas por causa do desejo de conquistar a terra santa, frear o avanço islâmico, espírito de cavalaria e desejo de lutar que por algo que julgavam honroso. Tudo isso levou a igreja a fazer varias cruzadas, até mesmo infantis, algumas bem sucedidas outras não, mas que no geral trouxeram alguns resultados: fortalecimento do sentimento religioso, poder do papado e espírito de intolerância. 

No capítulo oitavo, o autor trata da segunda parte da igreja no apogeu da idade media. Onde mostra como a igreja governava o mundo Ocidental desta época. Quanto aos bens matérias a igreja era possuidora de muitas propriedades e de varias fontes de renda. Mas, que apesar de não investir a quantidade que devia, investia também em instituições de caridade. Diz na seqüência que a igreja era organizada em poderes hierárquicos, sendo o papa autoridade máxima, e abaixo dele os arcebispos, bispos e párocos. Que, além disso, havia as ordens monásticas que contribuíam com: a literatura, escolas e os hospitais. Mas, que sempre estavam envolvidos com corrupções. Nichols fala ainda, da disciplina e lei da igreja romana neste período, para manter a moral do povo. O qual tinha que se confessar ao sacerdote, e pagar penitência para obter a absolvição do pecado. Que também poderia se conquistado depois da morte com o purgatório e indulgência. Quanto aos que não obedeciam estas leis ou disciplinas sofria a pena de excomunhão. Os grupos, como cataristas e valdenses, que questionavam tais leis sofriam com a inquisição, que os considerava “hereges”, e mesmo sendo inocentes e indefesos eram condenados. No que se refere ao culto, o cristianismo seguia ideologia anterior com cultos a santos tendo a ministração dos sete sacramentos lugar central e a igreja como mediadora entre Deus e o homem. 

O nono capítulo é o enceramento da igreja no apogeu da idade media, onde o autor mostra como era igreja do ocidente nesta época. Começa destacando o a influência religiosa governamental que a igreja exercia sobre o mundo ocidente, por meio de seus lideres, como Bernardo de Claraval, Domingos e Francisco de Assis. Bernardo (1090- 1153) exercia influência não apenas sobre os monges e os que o rodeava, mas também sobre grande parte da Europa, onde exercia a função de conselheiro e mentor espiritual. Domingos (1170- 1221), não muito depois de Bernardo, organizou a ordem dominicana que tinha o propósito de pregar e ensinar o povo por vários paises da Europa. Francisco de Assis (1182- 1226), um dos mais amados da igreja cristã, era um pregador humilde, que fundou a ordem da fraternidade com o propósito de servir ao próximo com alegria, e, assim suprir suas necessidades. Sua ordem marcada pelo zelo cristão se espalhou por toda a parte. Além disso, este período foi marcado por um cristianismo de medo e por uma fé supersticiosa. O povo tinha medo da igreja e uma fé baseada em crendices, originadas no paganismo. Todavia, apesar disso havia muitos dos remanescestes fiéis neste período. Nichols finaliza o capitulo mostrando como era a igreja o culto, a pregação, as cerimônias, missões e o desenvolvimento da igreja Oriental neste período. 

O décimo capítulo trata de um período de transição: a decadência e a renovação na igreja Ocidental (1294 – 1517 d.C.). De inicio o autor fala das condições políticas deste período que era marcada pelo espírito nacionalista. Em seguida lista as principais falhas da igreja que as levou a decadência, que segundo ele são: a corrupção do clero, que era motivada pelo egoísmo, imoralidade e avareza; a degradação da religião, a igreja substituiu o evangelho por ritos; o povo abandonado, não havia assistência pastoral. Em protesto a essas práticas, grupos como “Petrobrussiano”, os cataristas, os valdenses e os “irmãos”, se levantaram contra a igreja e ensentivava os fiéis a saírem da católica e migrarem para eles. Na seqüência Nichols fala de como se deu a queda do papado, que teve seu inicio com Bonifácio VIII, que foi preso por Filipe Rei da França, e humilhantemente viu seu poder desmorona e passa para ele. E depois passar por um grande cisma, aponte de se ter três papas governando, cada um distintamente. Além da crise papal, houve grandes revoltas dentro da igreja. A primeira liderada por João Wycliff, tratutor da vulgata para língua inglesa, que resistiu a interferência papal nos negócios da igreja inglesa; e outra liderada por João Huss, seguindo o pensamento de Wycliff não se submeteu as ordens da igreja, e como conseqüência disso depois de excomungado, morreu como mártir. Com o caminho aberto de inicio as tentativas de reforma dentro da igreja, como resposta ao anseio popular e por meio dos concílios reformistas: como o de Pisa, de Constança e de Basiléia. Além disso, a renascença, (com suas descobertas e suas invenções, como a imprensa), o despertamento cultual e político, e por fim, inquietação social, preparou o caminho para a reforma na Europa. 

A leitura da obra foi bem produtiva, pois, de maneira rápida e clara foi possível conhecer os principais períodos da História da Igreja, seus principais personagens e acima de tudo suas implicações práticas para se entender o presente mundo que vivemos e evitar a repetição no futuro dos erros do passado. A grande contribuição da obra é apresentar a História da igreja de maneira clara e concisa, o que a torna uma grande fonte de consulta rápida. É de conhecimento de muitos que nem todas as obras na área histórica são assim. Muitas são exaustivas, enfadonhas e ambíguas, porém a que aqui foi resenhada é simples e direta. Na obra fica claro o propósito era trazer de forma sintética a História da Igreja e ele faz isso com eficiência e clareza. Porém, creio que ele deixou a desejar ao não trazer conclusão pessoal no final de cada capítulo e por não ter uma introdução que explique o seu propósito ao escrever o livro. Todavia, essas observações não tiram o mérito da obra. Sendo assim, a obra é indicada para todos aqueles desejam conhecer a História da Igreja de maneira resumida e cristalina, e será uma ótima ferramenta para o entendimento da matéria. Por isso, para todos estudiosos e interessados da História da Igreja Cristã, este é um livro que não pode faltar na biblioteca.

Um comentário:

  1. Muito obrigado por esta Resenha, acabou com minhas dúvidas se comprava ou não esse livro. Comprarei.

    ResponderExcluir

Jailson Santos

Mestrando em Divindade pelo Centro de pós-graduação Andrew Jumper (Mackenzie - São Paulo)

Bacharel em Teologia pelo Seminário JMC e Universidade Presbiteriana Mackenzie

Pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana Aliança em Limeira - SP

Professor de teologia sistemática no SPFB

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.